• Language:
  • Currency:

Home | Samba School | Imperio Serrano

Império Serrano

Império serrano Samba School flag

"O que é, o que é?"

 2019 Themed Samba

Authors
Paulo Menezes 
SingerLeléu, Anderson Paz 

Samba Lyricsa 

VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ CANTAR E CANTAR E CANTAR
A BELEZA DE SER UM ETERNO APRENDIZ.
 AH MEU DEUS! EU SEI, 
EU SEI QUE A VIDA DEVIA SER
BEM MELHOR E SERÁ MAS ISSO NÃO IMPEDE
QUE EU REPITA É BONITA, 
É BONITA E É BONITA
E A VIDA E A VIDA O QUE É? DIGA LÁ, MEU IRMÃO
ELA É A BATIDA DE UM CORAÇÃO ELA É UMA DOCE ILUSÃO

ÊH! ÔH! E A VIDA ELA É MARAVILHA OU É SOFRIMENTO?
ELA É ALEGRIA OU LAMENTO? O QUE É? O QUE É?
EU IRMÃO HÁ QUEM FALE QUE A VIDA DA GENTE
É UM NADA NO MUNDO É UMA GOTA, É UM TEMPO

QUE NEM DÁ UM SEGUNDO HÁ QUEM FALE
QUE É UM DIVINO MISTÉRIO PROFUNDO É O SOPRO DO CRIADOR
NUMA ATITUDE REPLETA DE AMOR VOCÊ DIZ QUE É LUTA E PRAZER
ELE DIZ QUE A VIDA É VIVER ELA DIZ QUE MELHOR É MORRER
POIS AMADA NÃO É E O VERBO É SOFRER EU SÓ SEI QUE CONFIO NA MOÇA
E NA MOÇA EU PONHO A FORÇA DA FÉ SOMOS NÓS QUE FAZEMOS A VIDA

COMO DER, OU PUDER, OU QUISER SEMPRE DESEJADA
POR MAIS QUE ESTEJA ERRADA NINGUÉM QUER A MORTE
SÓ SAÚDE E SORTE E A PERGUNTA RODA E A CABEÇA AGITA
EU FICO COM A PUREZA DA RESPOSTA DAS CRIANÇAS
É A VIDA, É BONITA E É BONITA


2019 Parede



2019 Themed Samba

  • Carnival Commission: Paulo Menezes 
  • Carnival Director:Paulo Menezes 
  • Harmony Director: Julinho Fonseca
  • Singer:  Leléu, Anderson Paz
  • Drums Director : Mestre Gilmar
  • Drummers' Queen: Quitéria Chagas
  • Escort: Diogo Jesus
  • Flag-Bearer: Raphaela Verônica Lima
  • Vanguard Commission: Claudia Motta
  • 2019 Parade
  • Parading Position: 1° a desfilar no domingo (03/03/2019) 21:45h

"O que é, o que é?"

Abstract

E a Vida?
e a Vida o que é diga lá, meu irmão?”
Alguma vez você parou para se perguntar sobre isso? Acreditamos que sim.
Seria a Vida somente existir? Seria ela somente amar, trabalhar, criar, acumular e vencer ou seria
somente sofrimento e dor?
Seria alegria ou lamento? Seria luta e prazer?
Seria tudo isso junto ou não seria nada disso?
A pergunta nos pega de surpresa. Nos faz parar para pensar, nos obriga a refletir.
Seria a Vida uma aventura? Se for,
sinta, ame, ria, chore, brinque, ganhe, perca, tropece, mas levante-se e siga em frente. Sempre!
E o que você faz da sua Vida? Pois ela é você quem faz, as decisões são suas. É o seu querer que define o que você será!
Faça dela um frenesi, uma ilusão, um sonho, mas transforme tudo isso em realidade, sem medos! Afinal, ela pode tomar diferentes rumos, mas é você que escolhe como vai encará-los. Agora tomem um tempo para pensar o que é a Vida para vocês, pois para nós, o Império Serrano, é nunca perder a alegria,
é renovar a fé no mundo e nas pessoas.
Para nós, viver é cantar, cantar, cantar … e nunca ter vergonha de ser feliz!
Para nós a Vida é bonita, é bonita e é bonita!


  • 2017                                Champion
  • 2008                                         Champion
  • 2000Champion
  • 1998Champion

Data

  • Foundation: 23/03/1947
  • Colors: Green and white
  • President: Vera Lúcia de Souza
  • Honorary: Vera Lúcia de Souza
  • Samba Hall: Av. Ministro Edgar Romero, 114 – Madureira CEP 21350-302
  • Rehearsals:-
  • Barracks: Cidade do Samba, Barracão 07 - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa - CEP: 20.220-290
  • Website: http://sambadoimperioserrano.blogspot.com.br/
  • Press:-

Império Serrano's history

Em seu primeiro desfile, a escola sagrou-se campeã, no ano de 1948, ano em que ainda não havia a divisão do Carnaval entre grupo principal e divisões inferiores. Começava a surgir, no entanto, a disputa política entre as entidades representativas UGES e FBES, sendo o Império filiado a esta última. Apenas as escolas filiadas a FBES teriam recebido verbas públicas, uma retaliação do poder municipal a proximidade entre a UGES (depois UGESB) e o PCB.

A presença de Irênio Delgado, considerado pela Portela e Mangueira como simpatizante do Império Serrano, aprofundou a cisão, levando a organização de mais de um concurso nos três anos seguintes, um por cada entidade representativa (UGESB, FBES e a efêmera UCES, que só durou um ano). No concurso da FBES, o Império Serrano venceu nos três anos, obtendo o tetra-campeonato consecutivo.

Com a reunificação do carnaval em 1952 a partir da criação da AESCRJ, não houve julgamento dos desfiles do grupo principal daquele ano, o que fez com que apenas em seu sexto carnaval a escola da Serrinha não conquistasse o título, sendo vice-campeã em 1953 e 1954. Venceu novamente em 1955 e 1956, posicionando-se a partir de então como uma das forças mais tradicionais do Carnaval carioca de então, ao lado de Portela, Mangueira e Salgueiro.

Em 1975 a escola escolheu como enredo "Zaquia Jorge, Vedete do Subúrbio, Estrela de Madureira", sendo a disputa interna vencida pelo compositor Avarese. No entanto, o samba que ficou em segundo lugar, composto por Acyr Pimentel e Cardoso, acabou sendo gravado por Roberto Ribeiro sob o título "Estrela de Madureira", e se tornou um clássico do samba, e também uma espécie de hino da escola, tornando-se muito mais famoso que o samba vencedor daquele ano.

Em 1978 entre as 10 escolas de samba do Grupo Principal, a Império Serrano termina na sétima posição e com isso sofre o seu primeiro rebaixamento da história .

No ano de 1981, é lançado o livro "Serra, Serrinha, Serrano: o Império do Samba", de Raquel Valença e Suetônio Valença, até hoje considerado uma referência sobre a história da escola.Nesse mesmo ano a escola ficou em último lugar.

Em 1982, a cantora Clara Nunes gravou o Serrinha (samba em homenagem à escola), escrito por Mauro Duarte e Paulo César Pinheiro.

Também na década de 1980, a escola teve grandes momentos com enredos criados por Fernando Pamplona, desenvolvidos por outros carnavalescos, como Bumbum Praticumbum Prugurundum, de 1982, quando as carnavalescas Rosa Magalhães e Lícia Lacerda deram ao Império Serrano seu último título da primeira divisão, após um jejum de dez anos,Mãe Baiana Mãe (1983), Eu Quero (1986), Com a boca no mundo, quem não se comunica se trumbica (1987) e Para com isso, dá cá o meu (1988).

Na década de 1990, a escola enfrentou sérios problemas de política interna que redundaram em três rebaixamentos (1991, 1997, 1999).

O Império voltou à elite do carnaval em 2001, mas ainda permaneceu lutando com dificuldade para permanecer no Grupo Especial. Nesse ano, trouxe um samba de Arlindo Cruz, Maurição, Carlos Sena e Elmo Caetano, que foi considerado pela crítica como o mais bonito do ano, e que contava a história da Resistência, como era chamado o Sindicato dos Estivadores do Rio de Janeiro, ao qual vários dos primeiros integrantes da escola foram ligados. Porém um defeito no principal carro alegórico, formado por um contêiner que se abriria durante o desfile, inviabilizou a surpresa que a escola havia preparado, o que certamente deve ter lhe tirado pontos preciosos.

Em 2004, o Império reeditou "Aquarela Brasileira", considerado um dos sambas-enredo mais bonitos da história, e mesmo com problemas financeiros e disputas internas, levantou o público no Sambódromo, mas acabando longe do título na classificação final.

;