Beija-Flor - Escola de Samba - Samba Enredo English

Beija Flor Samba School flag

Ouça aqui o Samba Enredo da Beija-flor apenas clicando no botão do player ao lado.

 

GRES Beija-Flor de Nilópolis

FICHA TÉCNICA

Fundação: 25/12/1948

Cores: Azul e Branco

Presidente de Honra: Aniz Abrahão David

Presidente: Farid Abrahão David

Quadra: Rua Pracinha Wallace Paes Leme, 1025 - Nilópolis - RJ
Cep: 26.050-032
Telefone: (21) 2691-1571 /
(21) 2791-2866

Ensaios: As quintas-feiras, a partir de 21h
Barracão: Cidade do Samba (Barracão nº 11) - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa
CEP: 20.220-290
Telefone Barracão
(21) 2233-5889

Imprensa:
Hilton Abi Rihan
beija-flor@beija-flor.com.br
beija-flor@grupointernet.com.br
Telefone: (21) 2233-5889

Simone Fernandes
simonefern@gmail.com
Telefone: (21) 7843-8940


Beija-Flor 2016

Veja o horário do Desfile

Enredo:
"Mineirinho Genial! Nova Lima - Cidade Natal. Marquês de Sapucaí - O Poeta Imortal!"

Carnavalescos:
Laíla, André Cezari, Fran-Sérgio, Ubiratan Silva, Vítor Santos e Bianca Behrends

Diretor de Carnaval: Laíla

Intérprete: Neguinho da Beija-Flor

Mestres de Bateria: Plínio e Rodney

Rainha de Bateria: Rayssa Oliveira

Mestre-Sala: Claudinho

Porta-Bandeira: Selmynha Sorriso

Comissão de Frente:
Marcelo Misailidis


O Beija-Flor é uma ave tropical e presente em algumas regiões do Rio de Janeiro. A escola tem seu nome inspirado no Rancho Beija-flor que existia na cidade de Valença-RJ. A idéia nasceu com um grupo de amigos, no entanto o nome foi proposto por D. Eulália, mãe de um deles. A escola situa-se fora do município do Rio (em Nilópolis, um município da região metropolitana), atualmente uma da maiores escolas de samba do Rio de Janeiro.

Alcançou a fama de ser uma das melhores escolas de samba por ter sido 12 vezes campeã. Foi a primeira a possuir uma combinação de uma gestão artística e organizada, excepcional e incomparável com a forte determinação de vencer. Pioneira em possuir uma equipe de carnavalescos em sua comissão de carnaval, enquanto a maioria das outras escolas só tem um.

É uma das escolas que impõe regras rígidas com uma das mais altas expectativas de desempenho por parte de seus desfilantes. Ela começou sua recente série vencedora em 1976 e venceu novamente em 2003, 2004, 2005, 2007 e 2008. Se não foi campeã, chegou pelo menos perto de vencer em todos os últimos anos. É bem conhecida por sua extravagância criativa e cores fortes. 

 


Beija-Flor

Samba Enredo: "Mineirinho Genial! Nova Lima - Cidade Natal. Marquês de Sapucaí - O Poeta Imortal!"

Autores: J.Velloso, Samir Trindade, JR Beija-Flor, Marquinhos Beija-Flor, Gilberto Oliveira, Elson Ramires, Dílson Marimba e Sílva

Intérprete:Luiz Antônio Feliciano Marconde (Neguinho da Beija-Flor)

Samba Enredo 2015

Vem na batida do tambor

Voltar na memória de um griô

Fala cansada, mãos calejadas

Ouça o menino Beija Flor

Ceiba, árvore da vida

Raízes na verde imensidão

Na crença de tribos antigas

Força e povoada nesse chão

O invasor singrou o mar

Partiu em busca de riquezas

E encontrou nesse lugar

Novas Índias, outras realezas

Destino trocado, tratado se faz

Marejam os olhos dos ancestrais

 

Negro canta, negro clama

Liberdade!

Sinfonia das marés

Saudade!

Um africano rei que não perdeu a fé

Era meu irmão, filho da Guiné!

 

Formosa, divina ilha

Testemunha dos grilhões

Eu vi a escravidão erguer nações

Mas a negritude se congraça

A chama da igualdade não se apaga

Olha a morena na roda e vem sambar

Na ginga do balélé, cores no ar

Dessa mistura vem meu axé

Canta Brasil! Dança Guiné!

Criança! Levanta a cabeça e vá embora!

No mar que trouxe a dor,

Riqueza aflora

Tens uma família agora!

Quem beija essa flor não chora.

 

Sou negro na raça, no sangue

E na cor.

Um guerreiro Beija Flor

Oh minha deusa soberana!

Resgata sua alma africana.

 


Enredo de 2016

"Mineirinho Genial! Nova Lima - Cidade Natal. Marquês de Sapucaí - O Poeta Imortal!"

Introdução

Uma grande História, para ser bem contada, necessita de enredo, fundamentos, algo que permeia a eternidade da linha do tempo, sem querer jogar confetes que seja cheia de vida, iluminada como uma senhora festa e que, acima de tudo, ilustre a força de seu personagem principal. Não é uma historiazinha qualquer que agora principia, por ora o prelúdio da crônica de uma vida recheada de caminhos, vitórias e uma consagração digna da nobreza d´alma de poucos com espírito tão elevado. Muitos já ouviram meu nome! Quantas vezes fui testemunha da mais original manifestação popular no maior espetáculo da Terra?

 

Cândido nasci, e das ruas de pedra de Congonhas de Sabará – hoje Nova Lima, jamais imaginaria um futuro tão brilhante como o mais puro ouro das Minas Gerais. Sou daquele tempo, em que a riqueza da mineração conduzia metais preciosos, influência e homens letrados à Corte no Rio de Janeiro. Mas antes de chegar à capital do Império, conheci terras lusitanas, na ciência das leis, um bacharel, e de Coimbra, coração apertado de saudade, resolvi voltar.

 

A vocação jurista ganha corpo, a vida profissional ascensão, e tudo parece seguir um rápido desfile no curso do Brasil à beira da Independência. O grito do Ipiranga acabara de ecoar, e eu estava nas cercanias de Mariana como Juiz de Fora.

 

O homem público a cada momento se eleva, e uma sucessão de conquistas parece não mais que algo naturalmente lógico na concentração da posteridade que se aproxima: deputado, senador, desembargador, conselheiro do Império, ministro das Finanças e da Justiça e, acima de tudo, o mestre preceptor do futuro Imperador Pedro II

 

À memória popular que pouco conhece dessas vertentes, mas que não me esquece por outros nobres motivos, históricos e culturais, deixo de ser apenas Cândido, em um ato de reconhecimento e gratidão imperial, principalmente para ter seu grande conselheiro próximo à futura Estação de trens que herdaria seu nome, Pedro Segundo me faz Visconde.

 

A antiga rua Bom Jardim, na Cidade Nova, conquista meu título de nobreza e definitivamente passo a escrever a glória maior da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.

 

Um dia, já Marquês, minha passagem me eleva a outro plano, fincado como parte desse chão vi crescer estas paragens, vivi reformas, passei por revoluções…

 

Quando a liberdade quebrou correntes, eu estava lá!

 

A Aurora da República assisti de perto; vislumbrei de camarote a redenção de uma gente marginalizada, que pouco a pouco fez história, e através de suas escolas, ensinou o Brasil a sambar.

 

Ah! Quantos personagens imortais?

 

Quantos sambas antológicos e artistas geniais passaram por mim?

 

E hoje, na mais cândida paciência, aguardo os quatro dias de folia para o mundo inteiro ouvir meu nome. Eu, poeta de Minas Gerais, que nem de longe esperava tanto, sou palco de todas as emoções, a Avenida do desfile principal na Apoteose do sambista verdadeiro.

 

Adormeço aos pés da praça, onde faço minha última morada, e num desfecho magistral, sou apenas mais um nobre recebendo a Deusa da Passarela: Muito prazer! Marquês de Sapucaí.

Escolas de Samba do Grupo Especial.

Ouça os sambas de enredo e confira todas as informaçoes sobre as escolas de samba

sambas do Grupo da Série A
saiba tudo sobre o carnaval

Carnaval do Rio de Janeiro Escolas de Samba Fotos

 

A Historia da Beija-Flor

A Beija-Flor de Nilópolis nasceu nas comemorações do Natal de 1948. Um grupo formado por Milton de Oliveira (Negão da Cuíca), Edson Vieira Rodrigues (Edinho do Ferro Velho), Helles Ferreira da Silva, Mário Silva, Walter da Silva, Hamilton Floriano e José Fernandes da Silva resolveu formar um bloco que, depois de várias discussões, por sugestão de D. Eulália de Oliveira, mãe de Milton, recebeu o nome de Beija-Flor (inspirado no Rancho Beija-Flor, que existia em Marquês de Valença). Dona Eulália foi admitida como fundadora.

Em 1953, o Bloco Associação Carnavalesca Beija-Flor, vitorioso no bairro, foi inscrito por Silvestre David do Santos (Cabana) integrante da ala dos compositores, como escola de samba, na Confederação das Escolas de Samba, para o desfile oficial de 1954, no segundo grupo.

No seu primeiro desfile, em 1954, foi campeã passando para o grupo I, no qual permaneceu até 1963. Em 1974, retornou para o Grupo I resultado do bom trabalho desenvolvido por Nelson Abraão David. Em 1977, Aniz Abraão David assume a Presidência e projeta a Escola de Samba de Nilópolis como uma das mais famosas do mundo.

Enredo 2016 da Beija-Flor

Os Títulos da Escola