• Idioma:
  • Conversão:

Home | Escola de Samba - Beija-Flor

Beija-Flor de Nilópolis

Beija Flor Samba School flag

''Empretecer o Pensamento é Ouvir a Voz da Beija-Flor.''

Samba Enredo de 2021

Compositores: EM BREVE
IntérpreteLuiz Antônio Feliciano Marconde (Neguinho da Beija-Flor)

Letra do Samba 2021:

EM BREVE

  Desfile 2021



Enredo 2021

  • Carnavalescos: Alexandre Louzada
  • Diretor de Carnaval: Dudu Azevedo
  • Diretor de Harmonia: Simone Sant'ana e Válber Frutuoso
  • Intérprete: Neguinho da Beija-Flor 
  • Mestre de Bateria: Rodney e Plínio
  • Rainha de Bateria: Raíssa de Oliveira
  • Mestre-Sala: Claudinho
  • Porta-Bandeira: Selminha Sorriso
  • Comissão de Frente: Marcelo Misailidis
  • Desfile de 2021




''Empretecer o Pensamento é Ouvir a Voz da Beija-Flor"

Sinopse - RESUMO

Este enredo é de autoria coletiva. Foi escrito pelas mãos, vozes e memórias de cada componente da nossa comunidade. A imagem do Pensador, a bela estatueta do povo tchowkwe, que habita a região Nordeste de Angola, inspira-nos a levar para a Avenida um enredo sobre a contribuição intelectual negra para construção de um Brasil mais africano. Nossa civilização conhece e respeita os pensamentos esculpidos em mármore greco-romano. Mas por que não talhar os saberes em ébano? Empretecer o pensamento do mundo é dar a toda a humanidade a oportunidade de uma visão diferente e original, com novos caminhos para o futuro, estabelecendo outras rotas possíveis.

Ao longo do tempo, foram grafadas em pedras duras imagens estereotipadas da África como um ajuntamento de sociedades tribais destituídas de pensamentos e tecnologias. Isto nos impede de ver o legado e a diversidade dos povos e refletir sobre a possibilidade de empretecer o conhecimento humano.

Muitas vezes enquadrada no campo do primitivo e do exótico, nossa forma sofisticada de ver o mundo é desvalorizada por estruturas coloniais racistas que desprezam a riqueza intelectual que produzimos.

Por isso, mais do que nunca, é hora de inspirar mentes, trabalhar pelo “reencantamento” de tudo, e talhar em madeira forte nossos saberes, feito sementes espalhadas por soberanos pássaros de ébano.

“No caminho da luz, todo mundo é preto”

(Emicida)

A diáspora do pensamento negro é um jogo de espelhos que faz refletir por muitas e muitas terras, povos e gerações o valor da nossa gente. Um negrume multicor que construiu monumentos em eras gloriosas, e que também passou a sofrer constantes tentativas de apagamento e silenciamento. Mas o legado dos nossos ancestrais persiste nas cores e nas formas que se afirmam pujantes, assim como a saga do nosso povo. Em muitos tons de negro, erguemos totens, esculpimos imagens de adoração de muitas fés, trançamos palha e fibra, entrelaçamos referências, bordamos a geometria das coisas e dobramos o tempo. Como num colar multicor, colocamos nos fios das artes visuais as mais raras pérolas e as contas mais sagradas dos nossos antepassados.


  • 2018Campeã
  • 2011Campeã
  • 2015Campeã
  • 2008Campeã
  • 2007Campeã
  • 2003Campeã
  • 2004Campeã
  • 1998Campeã
  • 1983Campeã
  • 1977Campeã
  • 1978Campeã
  • 1976Campeã

Ficha Técnica

  • Fundação: 25/12/1948
  • Cores: Azul e Branco
  • Presidente: Ricardo Abrahão David
  • Presidente de Honra: Anísio Abraão David
  • Quadra: Rua Pracinha Wallace Paes Leme, 1025 - Nilópolis - RJ
  • Ensaios: ?????????
  • Barracão: Cidade do Samba (Barracão nº 11) - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa
  • Web site: www.beija-flor.com.br
  • Imprensa: Natália Louise

A História da Beijar-Flor

O município de Nilópolis, na Baixada Fluminense, é o berço da Beija-Flor. A cidade e a escola de samba trilharam caminhos semelhantes, uma vez que parte dos governantes de Nilópolis também administrava a agremiação.[18]

Nilópolis integrou parte da capitania hereditária de São Vicente, pertencente a Martim Afonso de Sousa, a partir de 1531. Foi dividida em sesmarias e, mais tarde, transformada na Fazenda de São Mateus, tornando-se um grande engenho produtor de açúcar e aguardente. Em 22 de setembro de 1900, a região foi vendida ao criador de cavalos e mulas João Alves Mirandela e seu sócio Lázaro de Almeida. A fazenda foi desmatada e dividida em lotes, colocados à venda a partir de 1914. Em pouco tempo, a fazenda se transformou no povoado Engenheiro Neiva, integrado a São João de Meriti, na época, o 4.º distrito de Nova Iguaçu. Em 9 de novembro de 1916, o povoado foi desligado de São João de Meriti, vindo a ser o 7.º distrito de Nova Iguaçu. Ainda em 1916, foi fundada a agremiação “Bloco Progresso de Nilópolis”. Encabeçada pelo Coronel Júlio de Abreu e formada por políticos do Rio de Janeiro e de São Paulo, dentre eles, Nilo Peçanha, o grupo levou ao distrito serviços de abastecimento de água potável, igrejas, comércios, imprensa, pontes, além da primeira escola municipal e estadual da região. Em 1 de janeiro de 1921, a região foi renomeada para Nilópolis, em homenagem a Nilo Peçanha. Em 21 de agosto de 1947, Nilópolis foi emancipada de Nova Iguaçu.

Os principais locais de sociabilidade da cidade encontram-se nas imediações da estação de trem: a Avenida Mirandela (onde a Beija-Flor realiza seu tradicional desfile pós-carnaval); e do outro lado, a Praça Paulo de Frontin (antigo palco das manifestações públicas e do carnaval de rua da cidade).

Apesar do forte comércio e da presença de indústrias, é a escola de samba a maior expressão do município. Juridicamente "GRES Beija-Flor", a escola passou a ser chamada formalmente de "Beija-Flor de Nilópolis", tamanha identificação. Na cidade, também é comum locais de comércio que levam o nome da escola, sem ligação com a agremiação, apenas em forma de homenagem. No pórtico de entrada da cidade, foi construída uma escultura de um beija-flor, em homenagem à escola. A escultura foi retirada pelo prefeito Alessandro Calazans em seu mandato. Porém, seu sucessor, Farid Abrahão David, ao ser eleito em 2016, anunciou a reconstrução da escultura.

Farid Abrahão David, afastado da presidência da Beija-Flor para assumir a Prefeitura de Nilópolis.

;